Este site armazena cookies no seu equipamento para melhorar a sua experiência de navegação.
Cybertip:

Segurança da Informação

07 maio 2020

A segurança da informação é uma responsabilidade de todos, mas deverá existir uma cultura organizacional de risco tecnológico que apoie de forma consistente e abrangente todos os colaboradores através de um modelo de governo das tecnologias da informação estruturado em políticas, processos e procedimentos.

De acordo com os estudos mais recentes 40% ou mais das vulnerabilidades estão diretamente ligadas ao comportamento das pessoas, sendo vital que as organizações se concentrem mais nas pessoas através de programas de sensibilização, educação e formação, testados através de simulações.

As pessoas são o elo mais fraco das organizações, pois são o alvo preferencial dos cibercriminosos mas, acima de tudo, também são o elo mais forte ao constituirem a primeira linha de defesa contra as ameaças aos ativos digitais.

De acordo o relatório PrivSec, da Clearswift, os entrevistados relataram que 42% de todos os incidentes de cibersegurança são o resultado de ações maliciosas ou inadvertidas de colaboradores. Segundo o mesmo relatório, a percentagem de incidentes aumenta para 74% quando todas as ações internas da organização (ou seja, de colaboradores, clientes, fornecedores e ex-funcionários) são levadas em consideração.

Segundo a revista Forbes os danos devido ao cibercrime terão um valor estimado de cerca de 6 Triliões de US dólares, um valor mais elevado do que o de todos os desastres naturais ocorridos num ano.

Ainda de acordo com análises recentes da IBM Security, o custo médio de uma violação de dados é agora de cerca de 8,2 Milhões de US dólares.

O cibercrime é uma realidade operacional das organizações. Já não se trata de uma questão sobre se determinada organização será atacada, mas quando!